Saúde
dezembro 17, 2014 postado por Blog do Cachorro


Hipertermia em cães

Hipertermia / Insolação em cães

O verão chegou e com ele podemos gozar das delícias dos dias mais longos com muito calor e Sol.

Em dias quentes e ensolarados, nada mais apropriado do que usarmos roupas leves como shorts e até maiô e biquíni, certo? No entanto, se para nós, em dias de temperaturas mais elevadas, o ideal é diminuir a quantidade de roupas, para que o calor não nos faça perder muita água através da transpiração e consequentemente não corrermos risco de desidratação, e hipertermia, retirar a pelagem dos nossos cães não deveria ser bom para os nossos animais de estimação, também?

Você sabe o que é hipertermia?

Hipertermia em cães

Hipertermia em cães

Hipertermia é quando a temperatura corporal muito alta, que pode ser devido a dias muito quentes, impede que os cães sejam capazes de auto-regular seu metabolismo e acabam sendo incapazes de manter a temperatura em um nível normal. A hipertermia também pode ser causada pela febre quando o corpo do cão eleva a sua temperatura para tentar combater infecções ou como uma resposta à inflamação. Pode ser difícil de diferenciar as duas formas de hipertermia.

O que causa hipertermia?

A hipertermia pode ser causada por exercício, por um ambiente quente que acaba fazendo com que o cachorro não seja capaz de resfriar seu sangue, devido a envenenamento, e também pode derivar de algum problema de saúde

Hipertermia e febre podem ser facilmente confundidas, até por profissionais experientes afinal a febre pode ocorrer devido a muitos fatores, incluindo uma infecção. Às vezes não é possível encontrar a causa subjacente de uma febre, impossibilitando que o cachorro reaja.

É muito importante que o corpo do cachorro esteja em uma temperatura adequada, se a temperatura estiver muito alta, e demorar para voltar ao nível adequado, o animal corre risco de desenvolver insuficiência de múltiplos órgãos, podendo ser fatal.

Não é incomum que um cachorro tenha um ligeiro aumento em sua temperatura em dias mais quentes, ou mesmo devido a um estado de euforia ou stress. Uma pequena elevação na temperatura corporal, também pode ser algo normal depois que o cachorro pratica exercícios, no entanto, algum tempo depois de descansado, a temperatura deverá voltar aos níveis normais rapidamente.

Tosar meu cachorro pode fazer com que ele não tenha hipertermia devido a insolação?

Tosar meu cachorro pode fazer com que ele não tenha hipertermia devido a insolação?

Tosar meu cachorro pode fazer com que ele não tenha hipertermia devido a insolação?

Embora possa parecer lógico que tosar seu cão quando chega o verão, irá deixá-lo mais confortável para enfrentar os dias mais quentes, existe muita controvérsia a respeito deste assunto.

É comum que especialistas, isso engloba tanto criadores de cães e gatos de raças de pelagem longa, quanto veterinários, não indiquem a tosa para a maioria dos animais de estimação. Embora não seja uma opinião unânime, estes profissionais, baseiam sua opinião no fato de que a pele dos cães e gatos não é morfologicamente semelhante a pele humana. Cães e gatos perdem parcialmente a pelagem no período de verão, mas sua pelagem, que os mantêm aquecidos no inverno, devido a esta diferença histológica, teoricamente, também protege os animais no verão, impedindo-os de ficar muito quentes. Também teoricamente falando, é um sistema que funciona muito bem, no entanto, na minha opinião de criadora de raças de pelagem longa, isso funciona até certo ponto, ou melhor falando, até que fique muito quente. E quando a temperatura sobe bastante, podem ocorrer para alguns animais, consequências potencialmente desastrosas. Voltarei a falar sobre isso logo abaixo.

Para explicar para você de forma mais teórica, pesquisei um pouco a respeito desta diferença na morfologia da pele dos animais em comparação a nossa, e encontrei uma explicação em poucas palavras no artigo escrito por Barbara Elisse Najar no The Washington Post, que resume basicamente esta diferença.

Cães e gatos são homeotérmicos,como nós, o que significa que mantem uma temperatura corporal relativamente constante que no caso dos cachorros, varia entre 38,0 e 39,3 graus, segundo James H. Jones, que é especialista em fisiologia do exercício comparativo de animais e termorregulação na Universidade da Califórnia. “O que faz um animal ser considerado homeotérmico é quando o organismo consegue ter a capacidade de ajustar o ganho de calor interno e a perda de calor,  a fim de manter uma temperatura corporal constante “.

Os animais que não mantêm a temperatura corporal constante são chamados de pecilotérmicos. No caso destes animais, a temperatura do corpo varia de acordo com a temperatura do meio ambiente. Ou seja, em tempos frios, a temperatura irá se manter mais baixa, e no calor, a temperatura irá aumentar. Alguns exemplos de animais pecilotérmicos são os répteis, tartarugas, lagartos, cobras, etc. E os anfíbios sapos, rãs, pererecas, salamandras, etc.

Ainda com relação ao artigo que mencionei, ao contrário das pessoas, cães e gatos não transpiram pela pele como nós, para se refrescar. E este é realmente um ponto importante para compreendermos a diferença morfológica, traçando um comparativo entre a nossa pele e a pele dos cães. Segundo a Dra Kimberly May, uma veterinária da Associação de Medicina Veterinária Americana, um equívoco comum entre os proprietários de animais é acreditar que que os cães e os gatos podem transpirar através de suas patas, pelo nariz, ou pela língua. Na verdade, nenhuma secreção dos cães, é de fato destinada à transpiração; estas secreções são destinadas à proteção do organismo e a regulação da umidade, sendo insuficientes para esfriar o sangue.

A maneira mais utilizada pelos pets para resfriar seu sangue é através de Transferência de condução do excesso de calor interno. Isso ocorre por exemplo, quando os animais entram em contato com objetos mais frios do que eles, deitando no piso frio. A Transferência de convecção de calor, também pode ser feita através de ar frio ou água. Este resfriamento ocorre quando seu cachorro pula na piscina, ou toma um banho de mangueira, ou se deita na frente de um refrescante ventilador. A evaporação dissipa o calor de dentro do corpo dos pets e este é o único veículo interno de liberação de calor corporal armazenado.

Por isso, os especialistas acreditam ao contrário do que a intuição nos indica, que a pelagem dos animais de fato tem a capacidade de isolar o frio em temperaturas mais frias e também de impedir que o calor se torne muito exagerado em dias mais quentes. Atuando como um regulador térmico com o intuito de abrandar o processo de absorção de calor.

Mas será que isso é uma verdade absoluta?

Pois é, amigo(a) leitor(a) no verão os cães perdem parte de sua pelagem, fazendo com que ela esteja mais adequada a temperaturas mais elevadas. Cães que como os meus, possuem sub-pelo que é o que lhes capacita enfrentar temperaturas muito baixas no inverno, e que, não é nem um pouco necessário no verão, podem acabar sofrendo muito em temperaturas mais elevadas. A pelagem exterior dos cães, de fato, promove esta proteção da temperatura em climas mais quentes e se você mantiver seu pet à sombra e com água à vontade, certamente não existe a necessidade de fazer nenhum tipo de tosa durante o verão. Cães que possuem pelagem curta, também não necessitam de tosa. No entanto, se seu cão possui sub pelos e você não promove uma escovação diária em sua pelagem, você está correndo o risco de que seu cão desenvolva hipertermia.

Como vimos até aqui, os cachorros não transpiram pela pele e portanto, não liberam o calor desta maneira, como nós fazemos. Os cães mantém o calor em seu corpo, e necessitam de um elemento externo para amenizar a temperatura do sangue através de transferência de convecção de calor. Portanto se seu cachorro superaquecer devido a uma alta temperatura e você demorar para perceber, provavelmente ele irá desenvolver hipertermia e esta é uma condição física muito séria, que irá necessitar de um suporte veterinário de emergência e infelizmente tem um prognóstico bastante desfavorável, principalmente em animais mais idosos ou debilitados.

Por isso a questão de tosar ou não tosar seu cachorro para o verão é bem controversa entre os especialistas. No verão o aumento de parasitas é algo bastante comum e  ao tosar seu cão, caso ele viva em uma área externa, poderá promover problemas com relação a picadas de insetos, por exemplo. No entanto, em caso de animais que tenham uma pelagem muito densa e se por algum motivo, eles acabarem tomando mais Sol ou experimentando uma temperatura muito alta e não consigam resfriar seu corpo, podem acabar superaquecendo e isso pode levá-los a morte.

A tosa pode evitar a hipertermia em cães com sub pelo

A tosa pode evitar a hipertermia em cães com sub pelo

A tosa pode evitar a hipertermia em cães com sub pelo

Há alguns anos, optei em começar a tosar meus cães para o verão, a fim de evitar a hipertermia, e para mim, esta foi uma decisão bastante acertada. Aqui em casa além de tosarmos os cães, aumentamos a frequência dos banhos em tempos muito quentes, para 2 vezes ao mês e a disposição dos cães aumenta de forma considerável tanto com a tosa, quanto com os banhos.

Para que você compreenda como cheguei a conclusão de que tosar meus cães realmente ajuda a evitar a hipertermia, vou contar um pouco a respeito de uma experiência que tive com um cachorro de 10 anos. Ele nunca havia tido problemas devido ao calor. Até então havia passado 10 verões com muita tranquilidade, um cachorro ativo e feliz. Um determinado dia, encontrei meu cachorro à sobra, ele não havia tomado Sol, mas demonstrava um comportamento que eu já estava familiarizada e indicava que ele estava sofrendo de hipertermia.

Apesar de conhecer toda a teoria a respeito da termorregulação dos cães e também de ter conhecimento das forma indicadas para resfriar um cachorro com sintomas de hipertermia, que envolvem colocar o cachorro em um local ventilado, hidratá-lo e manter a pelagem molhada, etc – vou descrever todas as maneiras de resfriar seu cachorro, caso ele apresente sintomas de hipertermia logo abaixo. Mesmo assim, resolvi agir de forma intuitiva. Meu pensamento era, imagine se usarmos um casaco de peles por 20 minutos sob o Sol forte, isso seria mesmo algo insuportável, não é mesmo? Como eu tinha à mão uma máquina de tosa, achei que não faria mal algum fazer esta tentativa. Foram duas horas para tosar meu peludão, um cachorro grande. No início, a temperatura do meu cachorro girava em torno de de 41º. A temperatura do pelo próximo à pele era mesmo muito quente! Quando terminamos a tosa, a temperatura dele já havia estabilizado em 38.6 sem nenhum anti-térmico e foi um alívio para ele e para mim.

Por isso, sou mesmo favorável a tosa de verão para cães que possuem sub-pelos. Às vezes a intuição deve ser seguida.

Reconheça os sintomas de hipertermia em um cachorro. Procure agir rapidamente caso perceba que seu cachorro está desidratado ou apresentando algum dos sintomas de hipertermia:

Reconheça os sintomas de hipertermia em um cão

Reconheça os sintomas de hipertermia em um cão

  • Respiração incomum – rápida associada a um ruído
  • Temperatura corporal superior a 39,3º(veja como aferir a temperatura de seu cão abaixo)
  • Muita sede
  • Fraqueza
  • Fadiga
  • Vômitos frequentes
  • Diarreia
  • Desorientação
  • Língua muito vermelha e gengivas vermelhas
  • Sinais de desidratação em cães de pelagem solta a pele demora para voltar quando levantada
  • Dificuldade para respirar
  • Desmaio
  • Salivação excessiva, baba
  • Frequência cardíaca alta e pulso acelerado
  • O cachorro procura um local fresco para se deitar
  • O cachorro tenta colocar a barriga direto em um piso frio para se refrescar
  • O cachorro parece mais quente que o normal ao toque

Quais as situações que podem ter levado meu cachorro a desenvolver hipertermia?

  • Cães que fizeram exercício em dias quentes
  • Cães que tenham estado em algum lugar quente, tenha em mente que até um carro, pode ser muito quente para um cachorro,mesmo que o dia não esteja tão quente.
  • Cães que estejam tomando alguma medicação nova, podem ter um aumento de temperatura, principalmente se associado a temperaturas mais elevadas.

Se você já ofereceu água ao seu cão, se já molhou, tosou, refrigerou o cachorro e nada surtiu efeito, vá ao veterinário imediatamente.

Dicas de primeiros socorros para cães que estejam apresentando sintomas de insolação / hipertermia

Primeiros socorros para cães que estejam apresentando sintomas de insolação / hipertermia

Primeiros socorros para cães que estejam apresentando sintomas de insolação / hipertermia

Se você perceber que seu cachorro está muito parado e mais ofegante que o normal, leve-o para a sombra ou de preferência para o lugar mais fresco que conseguir. Se tiver à mão uma máquina de tosa, não deixe de usá-la imediatamente. Caso não seja possível, tente jogar água corrente sobre seu corpo, a água deve ser fria. Tente focar principalmente na cabeça, pescoço, peito e virilha. Você também pode envolver o cachorro em uma toalha bem molhada em água bem fria, repetindo o processo de molhar a toalha assim que esquentar. Se seu cachorro não tiver medo de borrifador de água, utilize-o e borrife água fria no corpo, mas lembre-se, se a pelagem úmida ficar quente, a água, na verdade, irá aumentar a retenção de calor, por isso você deve ficar molhando seu cão de forma constante. Você também pode mergulhar o cachorro em uma banheira com água fria, não gelada! Nunca coloque gelo no cachorro, isso pode prejudicar o quadro, pois o gelo pode fechar os poros da pele do cão, dificultando ainda mais a refrigeração. Lembre-se que essas dicas não substituem o atendimento veterinário, são apenas orientações que podem ser utilizadas prontamente ao se identificar os sintomas de hipertermia.

Se possível, faça a aferição de temperatura de quando em quando e encaminhe o cão ao veterinário imediatamente. Tenha sempre em mente que, quanto mais rápido for feito o atendimento maiores serão as chances de sucesso do tratamento.

Como aferir a temperatura de um cão

Caso o seu cão esteja apresentando um quadro com sintomas de hipertermia é recomendado controlar a temperatura para saber se os procedimentos de pronto atendimento estão surtindo algum efeito. Se você nunca aferiu a temperatura de um cachorro, vamos dar as orientações mais importantes para fazê-lo com segurança. A maneira mais indicada para aferir a temperatura de um cão é utilizar um termômetro apropriado fazendo a aferição retal. Introduza apenas a ponta do termômetro no ânus do animal, e aguarde o tempo necessário. O tipo de termômetro mais indicado nestes casos, são os termômetros eletrônicos encontrados em farmácias comuns. Dê preferência para os termômetros que têm a ponta flexível, pois o termômetros rígidos, em geral aqueles de vidro, apresentam um risco maior de quebrar durante o procedimento, machucando o cão.

Como posso prevenir a hipertermia no meu cachorro?

Pense no que te faz sentir calor, provavelmente seu cachorro também sentirá calor fazendo estas atividades. Os cães necessitam de uma atenção ainda maior com relação ao calor, pois eles necessitam de um local fresco para manter sua temperatura em dias muitos quentes. Em dias muito quentes, é particularmente importante manter seu cão tem um lugar fresco e com água a vontade. Alguns cães, gostam muito de tomar Sol, mas é importante ter certeza de que eles não fiquem no Sol por muito tempo. Banho de sol, pode superaquecer um cachorro e alguns cães talvez só percebam isso quando já não estão mais conseguindo regular sua temperatura.

Em dias muito quentes, uma forma de resfriar seu cachorro e prevenir a hipertermia é manter a escovação diária e os banhos regulares, de 15 em 15 dias durante os dias extremamente quentes. Você também pode promover mais conforto ao seu cão se permitir que ele pule na piscina, ganhe banhos de mangueira ou simplesmente possa ficar em uma área coberta dentro ou fora de casa, se possível em frente de um ventilador ou ar condicionado.

Como posso prevenir a hipertermia no meu cachorro?

Como posso prevenir a hipertermia no meu cachorro?

O mais importante de tudo no verão, tanto para animais tosados, quanto para cães sem tosa é ficar muito atento(a) à hidratação. Sempre recomendamos que você mantenha em dias muito quentes, água à vontade e de preferência, com algumas pedrinhas de gelo, para que ajude seu peludo a regular sua temperatura.

Nunca caminhe com um cachorro em horários de Sol muito quente. Não deixe seu cachorro no carro em dias de calor intenso e passeie apenas com ar condicionado ligado ou a janela aberta, tomando todos os cuidados necessários para a segurança do cão.

Lembre-se também que algumas raças de cães enfrentam dificuldades particulares no calor. Não apenas cães com sub pelos como Husky Siberiano, Malamute do Alaska, Akita, Kuvasz, Chow Chow, entre outros, que possuem uma pelagem especialmente desenvolvida para suportar baixíssimas temperaturas. Animais braquicefálicos também sofrem muito com o calor extremo e são fortes candidatos a desenvolverem hipertermia. Estes cães, possuem o focinho muito curto e esta particularidade de sua anatomia, diminui a eficiência da refrigeração do corpo através da respiração. Entre eles podemos citar o Pug , o Bulldog Inglês, o Bulldog Francês, o Boston Terrier, entre outros.

Em geral animais que estejam acima do peso são particularmente sensíveis ao calor, porque o seu peso interfere na termorregulação, incapacitando o corpo de liberar o calor de forma adequada.

Como é o tratamento indicado para cães com hipertermia?

O veterinário irá examinar  seu cão, e decidir qual é a melhor opção de tratamento para o caso de seu cachorro. É muito importante que você consulte o veterinário imediatamente, principalmente se o caso da alta temperatura de seu cachorro for compatível com algum dos casos citados neste texto. É difícil diferenciar um quadro de hipertermia de febre e o tratamento é realizado de forma diferente para cada caso.

Algumas opções de tratamento para casos de cães com hipertermia incluem diminuir a temperatura do cachorro com ventilação, preferivelmente de ar condicionado ou se não for possível um ventilador. A água fria, também é um recurso muito utilizado, no entanto ela não pode ser gelada. A água gelada poderia agravar o quadro, pois ela pode acabar fechando os poros da pele e dificultando muito mais o resfriamento do organismo. Medicamentos para acalmar o cachorro também podem ser prescritos e a utilização de soro intra venoso também pode ajudar a diminuir a temperatura.

Dicas para evitar a hipertermia em cães

Dicas para evitar a hipertermia em cães

Dicas para evitar a hipertermia em cães

  • Para evitar insolação/ hipertermia, é muito importante dar preferência para as caminhadas em horários de temperaturas mais amenas durante o verão.
  • Também é uma boa medida diminuir o tempo de caminhadas.
  • Sempre que for caminhar com seu cão em um dia quente, faça o teste da temperatura do chão com a palma de sua mão. Se você consegue manter sua mão no solo, seu cão poderá caminhar com segurança, se não, ele também poderá queimar sua patinha.
  • Mantenha seu pet em um local bem ventilado.
  • Em dias muito quentes, evite passeios ao ar livre, e passeios de carro com a família, pois isso pode fazer com que a temperatura de seu cachorro suba além do limite seguro.
  • Nunca deixe um cachorro, ou qualquer animal em um carro estacionado principalmente em um dia muito quente.
  • Durante o verão, considere a possibilidade de tosar cães muito peludos ou que tenham sub pelo.
  • Mantenha sempre água fresca à vontade e um local ventilado à sobra para seu pet.

Saiba + Sobre cuidados com os cachorros no verão

Calor – Cuidados com os cachorros no verão

Tosa – Tosar ou não tosar o meu cachorro?

10 Receitas para cachorro

Exercício para cachorros 

Bicheira – Saiba como prevenir e tratar a bicheira

Tipos de tosa – Principais tipos de tosa para cães

De quanto em quanto tempo devo dar banho no meu cachorro?

Sol para cachorro prós e contras

Como acabar com carrapatos?

10 Maneiras de manter seu cachorro sem carrapatos

Ensinando o cachorro a nadar

Como acabar com as pulgas dos cachorros?

Cuidados e Saúde

Leptospirose canina – Entenda melhor a leptospirose

Insetos, picadas e mordidas em cachorros – O que fazer?

Cuidados e Saúde do Cachorro

Intoxicação por veneno de rato em cães

Saiba + Sobre os Cães

Cachorros

 

 

 

 

Veja também no Blog do Cachorro:


Comentários

Colunista

O Blog do Cachorro é um web site onde você pode encontrar tudo sobre cachorros! Se você busca por informações, dicas, artigos sobre cuidados, saúde, comportamento canino, raças de cachorros, e demais assuntos relacionados aos nossos queridos peludos de quatro patas, este é o lugar certo.

Ver artigos de Blog do Cachorro