Alimentação
fevereiro 24, 2013 postado por Li Kuvasz


O meu cachorro comeu cocô!

Coprofagia, é o ato de comer cocô é repugnante, mas alguns cachorros tem o hábito de comer o próprio cocô  ou até mesmo o cocô de outro cachorro ou até mesmo de gatos.

É um hábito difícil de controlar, mas existem algumas maneiras, sejam com produtos ou atitudes, a eficácia depende principalmente do policiamento de nossas atitudes, muitas vezes o ato de darmos bronca, provoca esta reação por medo, ou o fato de recolhermos rapidamente as cocô, na frente do cachorro, demonstram para ele que aquilo é algo valioso.

As causas podem ser várias:

1. Deficiência metabólica ou doença

- Cachorros que comem cocô de outras espécies animais podem fazê-lo por que estas podem ser nutritivas, palatáveis e, por causarem poucos problemas, representarem um petisco apreciado pelo cachorro. Comer cocô  pode não ser repugnante para o cão e pode representar uma fonte de alimento a mais ou ser apetitosa para o cão.

- Super alimentação: sobrecarregar o sistema digestivo fornecendo alimentação e especialmente a base de ração uma única vez ao dia pode sobrecarregar o sistema digestivo e conseqüentemente ocorrer uma má digestão. Assim as cocô apresentaria um alto grau de produtos alimentares não digeridos. Mais tarde sentindo fome o cachorro se alimentaria destas cocô.

- Baixos níveis protéicos ou alimentação insuficiente (fome).

- Dietas ricas em carboidratos e fibras.

- Deficiência de enzimas digestivas (enzimas pancreáticas). Nestes casos o fornecimento de enzimas digestivas é eficaz na superação deste comportamento.

- Ocorrência de vermes e conseqüentemente carência nutricional.

- Pancreatite crônica.

Meu cachorro anda comendo cocô

2. Razões comportamentais

- Ansiedade devido a conflito ambiental. Stresse ambiental pode contribuir com vários comportamentos redirecionados incluindo coprofagia.

- Cachorros entediados que manipulam cocô como passatempo.

- O cachorro pode ter sido condicionado a ingerir cocô para receber atenção do proprietário. O comportamento pode ter sido reforçado pela reação emocional do proprietário e que significou ganho de atenção.

- Punições excessivas relacionada a eliminações do cão. Cães podem comer cocô para evitar que os proprietários os punam.

- A distribuição errônea do espaço de dormir, alimentar, defecar e urinar. Cachorros que não dispõem de espaço suficiente e são forçados a defecar em seu espaço de dormir acabam por ingerir suas cocô para manter o espaço limpo.

- Ansiedade de separação. Cachorros deixados em casa sem companhia por um longo período de tempo acabam por exibir este comportamento.

meu_cachorro_anda_comendo_coco_3

Tratamento

Alimente tanto filhote quanto o cachorro adulto pelo menos duas vezes por dia (filhotes até 6 meses vão precisar ser alimentados pelo menos 3 vezes por dia) e com uma ração de boa qualidade.

Não dê frutas, doces e outras guloseimas, estes alimentos podem não ser digeridos por completo e os resíduos serão um atrativo para o seu cachorro.

Procure manter o jornal do seu filhote sempre bem limpinho e, de preferência, não deixe o filhote ver você limpando as cocô, assim não tentará imitar o seu comportamento.

Não brigue com o seu filhote se ele já tiver feito o coco ou xixi no lugar errado.

Reserve uma parte do dia para dar atenção e exercitar especialmente o peludo. Cachorros que são deixados muito tempo sozinhos (mais de 4 horas seguidas), ou confinados em locais pequenos e com poucos brinquedos, tendem a comer mais cocô do que aqueles que são exercitados regularmente ou que recebem mais atenção de seus donos.

Existem alguns produtos que podem ser dados por via oral e outros que são aplicados co cocô, converse com seu veterinário, ele indicará o melhor.

 

Você sabe detectar quando seu cachorro entra na adolescência? Leia aqui.



Veja também no Blog do Cachorro:


Comentários

Colunista

Sou apaixonada por cachorro, não consigo imaginar minha vida sem eles. É muito bom poder falar sobre nossos amigos peludos aqui, crio Kuvasz e Norfolk Terrier, e será muito prazeroso dividir aqui nossas experiências.

Ver artigos de Li Kuvasz